segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A corrida

Há um bom tempo atrás, eu estava subindo um escadão muito grande, com duas amigas, e eu e outra, decidimos apostar corrida, pra ver quem chegava primeiro. Saímos disparadas correndo. Chegamos mais rápido que a outra que não correu. Mas uma coisa interessante aconteceu, e Deus falou comigo.
A que não estava correndo, chegou também, no tempo devido, pois não havia necessidade de tanta velocidade. E eu e a outra desabamos no chão, cansadas, soadas, sem forças para seguir o caminho.
E muitas vezes, nós vemos as pessoas "passarem na nossa frente", uns recebem o Espírito Santo antes que nós, outros são levantados a obreiro antes que nós, recebem as bençãos antes que nós....
Mas devemos ter em mente, que não devemos correr! É claro que não devemos também nos acomodar, mas a verdade é que tudo têm o seu tempo. Cada um é cada um, e não devemos ficar nos comparando com o fulano ou o beltrano...
Um exemplo: eu já conheci muitas pessoas que queriam porque queriam tornar-se obreiros. E assim aconteceu, entraram na obra, mas porque buscaram chamar a atenção do homem! Isso mesmo, entraram por amizade, pois assim era um atalho. Sim, essas pessoas até entraram na obra, mas não tiveram estrutura para permanecer, porque colocaram a carroça na frente dos bois.
Agindo assim, só mostramos que não confiamos em Deus.

"Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta."

(Hebreus 12:1)


Na fé e na guerra, Caroline Benaia




terça-feira, 23 de outubro de 2012

E quem têm o estômago fraco, por favor não veja!

E ai, você enfrentaria qualquer coisa por Jesus mesmo? 
E ai. você ainda acha que a sua luta é muito grande?
É uma vergonha quando você chora por causa desses seus probleminhas, olhe o que nossos irmãos na fé passam e não negam a fé.
Após esse vídeo, se você continuar da mesma forma, olhando seus problemas como gigantes, só mesmo a misericórdia de Deus.
Na fé e na guerra, Caroline Benaia

Eu não acredito em você!

O título dessa postagem foram as palavras que um dia eu ouvi sair da boca de um obreiro.
Eu me lembro como se fosse hoje, ele olhou bem para mim, ele era meu líder, sentou na minha frente,me disse: Minha filha, você é bacana, dedicada, esta sempre se esforçando para vencer as lutas e se vencer, mas quando eu olho pra você, não consigo acreditar em você, penso sempre comigo: Pena que ela não vai permanecer.
Depois disso, aconteceram tantas e tantas coisas comigo, passei uma perseguição dentro da igreja, na escola, em casa, eu ouvi até da minha mãe, que ela não acreditava em mim, que depois que eu havia entrado na igreja eu tinha piorado. Sabe, chegou em um ponto, que nem mesmo eu, acreditava mais em mim.
E foi num sábado, eu fui pra igreja como sempre, e ai o auxiliar me deu uma ralada, que acabou comigo.
Eu desci as escadas, e entrei na salinha da evangelização, estava sem rumo, nessa hora não tinha amigos, não tinha minha mãe, e parecia que até Deus havia se esquecido de mim. Então eu entrei naquela salinha, fechei a porta, nem ascendi a luz, não tinha forcas nem pra abrir a boca e falar com Deus, só sentei na cadeira, coloquei a cara na mesa, liguei o rádio, e estava na rede aleluia, o momento do presidiário, então eu deixei rolar... Fiquei ouvindo o pastor falar com os familiares dos presos, e de repente,Deus começou a falar  comigo, de uma forma tão inesperada, guardei as palavras, e guardo até hoje comigo:
Sabe minha amiga (o), talvez você esteja passando por uma situação tão difícil, você tem se sentido no deserto, está só, parece que até Deus te esqueceu, as lágrimas estão sendo inevitáveis neste momento, mas tenha sempre em mente que Deus, só leva alguém para o deserto, quando quer exaltar no monte. Seu deserto esta árido? Continue caminhando, vai valer a pena!
Depois dessas palavras, começou a tocar a música Deus sabe de você... Nossa! Eu chorei tanto, mas não foi tristeza, foi alegria, uma alegria inexplicável, e eu continue firme, forte.
Duas semanas depois, eu recebi o Espírito Santo! E no dia eu que eu conheci o meu paizinho, eu ouvi dele as palavras mais doces que alguém pode ouvir:
Eu acredito em você! 
Meus caros, eu aqui estou, firme na fé, 5 anos na presença de Deus, passando por desertos até piores que estes, sendo humilhada, pisada, esquecida, mas estou firme, sim, eu permaneci, e quero permanecer até o fim.
Todos os dias, quando me sinto fraca e só, Deus me diz,eu acredito em você, estamos juntos até o fim! E eu renovo as minhas forças para prosseguir. 
Queridos, saiba que Deus tem um propósito grandioso em sua vida, e cabe a você deixar ele cumprir. As palavras negativas, os descréditos, virão, talvez para os homens, você não têm valor nenhum, mas saiba que Deus acredita tanto em você, que deu até seu filho, seu filho único. Então,vamos olhar para o alvo, para o autor e consumador da fé, se Ele acredita em você, pra que chorar, se entristecer, se o pastor não acredita, se os obreiros não acreditam, se nem sua família acredita? Se tudo esta tão difícil, é que sua benção esta pertinho.
#EUOROTODOSOSDIASPORVOCÊS!



Na fé e na guerra, Caroline Benaia

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Eu sou a senhorita cara de pit bull!

Eu sei que você no mínimo estranhou o título desse post, mas já já você irá entender...
O pastor aqui na minha igreja, costuma chamar as pessoas fechadas, de cara amarrada, de "cara de pit bull", engraçado,não? Eu pelo menos acho...
Mas enfim, eu era uma senhorita cara de pit bull, assim que entreguei minha vida pra Jesus, me fechei no meu mundinho. Deixei de ser simpática e sorridente com os que não eram da fé, achando que poderia me contaminar. Vejam só que imaturidade, quem se contamina em ser gentil com os outros? E na igreja então? uiiii, eu queria agradar a Deus a todo custo, por isso ficava na minha, não falava muito com as pessoas, eu vivia fechada no meu mundinho, pois pensava que se conversasse com as outras pessoas, poderia me envolver em fofocas, disse me disse, e desagradar a Deus.
Mas ai Deus me mostrou que eu estava era desagradando a Ele, morando na minha bolha, e então eu fiquei entre a cruz e a espada, mas me venci!
Passei a falar mais com as pessoas, ser mais gentil, sorridente, e os elogios vieram, mas mais importante que os elogios dos homens, foi a minha vida com Deus, que alavancou.
Só que ai eu passei um pouco dos limites, só que isso é assunto para outro post.
O importante é que eu deixei de ser cara de pit bull, e aprendi uma valiosa lição:
Muitas vezes, as pessoas são tão maltratadas no mundo, desprezadas, humilhadas, pisadas, e um simples gesto como um sorriso, um bom dia, boa tarde ou boa noite, um cumprimento, faz toda a diferença! Faz com que a pessoa sinta-se importante, feliz em ser bem tratada... Se explore nesse aspecto, e você verá quanta diferença isso faz...

Na fé e na guerra, Caroline Benaia

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A calça jeans justa da obreira

Marília, você viu a calça da obreira Cláudia? Nossa justa justa, se ela der um passo mais longo o botão estoura... Nossa, ela nem vigia né? Fica ai desfilando com essa calça justa, ham... Dando mal testemunho, mulher de Deus não se veste assim, posso falar uma coisa? Mas não me leve a mal, não é maus olhos, mas nem as mulheres que frequentam baile funk usam uma calça dessas! 
Enquanto isso, em casa, a obreira Cláudia...
-Ai meu Deus! Eu não aceito mais essa situação! Poxa vida, andei engordando, e agora que estou desempregada, não tenho dinheiro sequer para comprar uma calça nova! Estou me sentindo tão mal, tão indiscreta, sinto que tenho dado um mau testemunho, oh Deus...

Bem, a história acima é fictícia, mas ela não foge muito de nossa realidade, não mesmo! Quantas não são as vezes que julgamos as pessoas pelo que elas aparentam ser, ou por uma atitude que vimos? Muitas vezes, infelizmente! Olhamos a roupa da fulana,a maquiagem da ciclana, o jeito de andar da beltrana...
Que feio... Mas temos o péssimo hábito de julgar. Estou mentindo? Você sabe que não... Raras são as vezes que nos colocamos no lugar da outra pessoa, ou então oramos por ela. Temos o exemplo da história acima, as obreiras só sabiam criticar, ter maus olhos, mas em momento nenhum pararam para pensar que a obreira poderia estar passando por algum tipo de dificuldade. 
Eu confesso que eu já fui muito de julgar, mas foi preciso passar por uma experiência em que eu fui julgada, para saber que além de ser feio, te afasta de Deus. Talvez você ache que não tem nada de mais, que não faz mal, afinal, é só a roupa ou a maquiagem da beltrana, mas devemos sempre nos recordar: Ai daquele que toca (ou fala) de um ungido de Deus. 
"Não julgueis,para que não sejais julgados." (Mateus 7:1)
Na fé e na guerra, Caroline Benaia

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

As escadas da minha casa...

Na minha casa existem duas escadas, bem longas por sinal, e na minha casa também não bate muito sol...
As escadas são grandes, íngremes, e em uma delas, ao lado, esta um grande vão.
Todos os dias, quando chego da igreja de noite, todas as luzes estão apagadas, é difícil enxergar um palmo diante do nariz... 
Mas uma coisa percebi, quando chegava sexta-feira da igreja, sim estava tudo escuro como todos os dias.. Sim, não era possível enxergar um palmo diante dos olhos... Sim, diante de qualquer descuido eu cairia no vão, mas eu não cai. Eu desci a escada correndo, sem nem olhar para os lados. Sabê porque?
Porque fazem 15 anos que moro nesta casa, 15 anos que subo e desço diariamente essa escada, e eu tenho intimidade com ela. Conheço cada degrau, cada centímetro, ao ponto de nem precisar olhar, nem precisar de luzes acessas para desce-la. Eu a conheço!
E percebi que assim é com Deus... Quando o conhecemos e temos intimidade com ele, andamos sem nos preocupar, sem olhar para os lados, sem se preocupar com a escuridão e o vão que nos espreita... Confiamos que não vamos cair, pois ele nos guia.
Não é glorioso? Quando estamos dispostos a ouvir a voz de Deus, ele fala, fala forte, nas mínimas coisas, nas atividades mais simples do dia a dia, basta que estejamos dispostos a ouvir sua meiga voz!



Na fé e na guerra, Caroline Benaia