terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O engorda e emagrece da fé

Você já viu uma pessoa, que digamos, não esta muito determinada a emagrecer em uma dieta? 
Ela começa, e não termina, ou então, faz só uma parte da dieta, ou então, até faz por um bom tempo, mas acaba desistindo.
Ai em uma outra segunda-feira, lá se vai ela novamente, começar a dieta...
E o que acontece? O famoso engorda e emagrece, ou como dizemos, o efeito sanfona;
Mas porque a pessoa fica nesse vai e vêm? Por que não houve uma revolta, uma decisão, um basta!
Eu conheço pessoas que já perderam mais de 100 kilos, mas conseguiram através de determinação.
Assim são as pessoas, que uma hora querem, e outra não querem algo sério com Deus.
Uma hora levam a sério a vida com Deus, seguem retamente o seu caminho, mas...
Caem!
Uma hora estão bem, radiantes, felizes, e outras, emburradas, sisudas, e tristes, por estarem de "mal com Deus".
Enquanto não houver uma revolta, uma decisão, um basta, as coisas continuarão como a dieta de uma pessoa que não têm força e vontade.
A revolta é individual, cada um sabe exatamente onde seu calo aperta. Dá pra continuar assim? Você é quem sabe, a escolha é sua!

#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia


sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

O meu uniforme de obreira

Tadinho do bichinho, está todo surrado. Mas se formos parar para observar os escudos dos grandes guerreiros, veremos que nenhum esta intacto, todos estão arranhados, furados, riscados...
Essas são as marcas do campo de batalha.
E a marca dos dias que eu vou para o campo de batalha dar a vida pelo povo, é o surrado do meu uniforme.
Mas mesmo assim ele continua sendo lindo, a roupa mais linda do meu guarda roupa.
Mas e o seu joelho? será que ele têm marcas? Como assim? Machucados? Não necessariamente. Não fisicamente falando, mas espiritualmente, será que ele tem têm sido  gasto? O que você gasta mais?
Seus joelhos em oração, ou a sua língua para falar da vida dos outros, ou murmurar com Deus, perguntando por que, e como?
A nossa língua e nossa saliva, devem ser gastas, para falar do amor de Deus, e também, para falar com ele.
E o nosso joelho também, pois quando nos ajoelhamos ficamos na melhor, e na mais estratégica posição de guerra, pois aos olhos humanos, estamos numa posição vulnerável, mas é ai que Deus entra com o seu escudo, com a sua forte mão, e intercede em nosso favor.

Vamos lá, gastar o que realmente interessa? Eu sei que praticar nem sempre é fácil, mas valerá a pena.

#EuOroTodosOsdiasPorVocês



Na fé e na guerra, Caroline Benaia


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Daqui não saio, daqui ninguém me tira....

 "Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração." 
(Mateus 6:19-21)

Com cerca de 14 anos, eu entrei no berçário. E pode parecer estranho para a maioria das pessoas, mas eu amei, comecei a dar a vida. Chegava cedinho, limpava o berçário, deixava-o cheirosinho, preparava os lanchinhos, as papinhas dos bebês, arrumava os brinquedos, cuidava do caderno de controle, fazia os relatórios mensais que iam para a sede, a líder contava comigo como braço direito.
E até que um belo dia, uma obreira me pergunta: E ai, vai fazer o que agora?
Eu: Ham? Como assim?
Ela: É, agora que você saiu do berçário, vai ter que se encaixar em algum grupo né...
Genteee, confesso que o que ela falou depois, eu nem ouvi, foi como se lá longe estivesse ecoando um som, mas parecia que o mundo estava caindo.
Eu joguei o rodo no chão e fui correndo pro andar de baixo da IURD, me tranquei no banheiro e chorei, chorei, chorei, e... Chorei.
Só Deus e eu sabemos o quanto eu amava aquele trabalho, o quanto ele era especial, lá ninguém estava vendo o que eu fazia, o pastor não via, os obreiros não viam, mas Deus via, e muitas vezes, eu nem estava no salão, numa noite de quarta, por exemplo, mas saía de lá tão renovada, que era como se tivesse buscado, e buscado.
Mas depois disso, nossa! Eu fiquei mal, confesso que não gostava nem um pouco da ideia de ter que entrar no Grupo Jovem, então eu fiquei mal até com Deus.
Andava quieta, emburrada, cabisbaixo, e se eu passasse em frente ao berçário, os olhos já marejavam. 
Não foi fácil.
E então, eu pude perceber que, meu coração estava no berçário. Eu fazia sim para Deus, porém....
Eu não tinha a visão de que todo lugar é lugar para o servo que quer servir, que não existe lugar bom ou ruim na obra de Deus. 
O vento sopra, e uma coisa eu trago comigo: enquanto Deus precisar de você em um determinado lugar, ele vai te usar lá, mas quando Ele precisar te usar em outro grupo, Ele o fará.
Eu fui turrona, bati o pé, mas foi inevitável. E hoje? Bem já passei pelo P.A, Pelo Tf Teen, pela E.B.I, pelo Força Jovem, e atualmente sou da evangelização.
E digo com a maior convicção do mundo: Não existe lugar ruim quando o que se deseja é servir, em cada grupo, em cada fase da sua vida, você aprende um pouco.
É como se fosse um quebra cabeças que vai se encaixando, e você vai amadurecendo, e crescendo, são degraus.
E você vai perceber uma coisa, isso é certeza:
Um dia você estará num grupo, amando o que faz, dando a vida, o sangue, e nesse momento, Deus vai te levar para outro lugar, para ser usado lá.

Onde esta seu coração? 





segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Termômetro espiritual para os obreiros

Você com certeza sabe o que é um termômetro, usado para medir temperaturas. Tanto de pessoas, como de substâncias, e por ai vai.
E sabe, uma coisa eu aprendi com um pastor lá atrás; quando um obreiro está de uniforme, servindo na reunião, ele está ali para servir primeiro a Jesus, e em segundo auxiliar o pastor, e o povo. E que, quando um obreiro está de uniforme, a oração deve ser em prol das pessoas que ali estão.
E quando o obreiro não está ali de todo coração, ou seja, está na igreja, mas com a cabeça nos seus próprios problemas, ele esta se lixando para o povo, quando o pastor ora pela família, ele também ora pela família... Só que a dele. Quando o pastor ora pela saúde, ele também ora... Só que a saúde dele.
E não foi para isso que Deus nos chamou e escolheu.
Uma sexta-feira, eu fui à igreja, com dores no corpo todo, estômago doendo, enfim... Eu poderia não ter ido, afinal, não me sentia bem, mas mesmo assim fui, pensando no povo, nas pessoas que precisavam da minha oração. Então, na hora da oração da cura, ao invés de orar por mim, pela minha cura, eu fui orar pelas pessoas, determinar a cura delas, e resultado: eu saí da reunião tão bem, melhor do que nunca para dizer a verdade.
É assim, a cada dia que passa, eu posso perceber que quando você dá a vida pelos problemas do povo, Deus cuida dos seus.
E foi para isso que Ele nos chamou, para que viéssemos apascentar as ovelhas dEle.
Já um obreiro que só pensa em si, por mais que esteja na fé, nunca vai entender por que não é mais abençoado. E este é o segredo, ao invés de fugir dos problemas, correr atrás dos problemas... Do povo! Pois cuidando das almas, como disse, Deus cuida de nós.
E o termômetro para poder notarmos isso, é a nossa oração. 
Será que ao dobrarmos os joelhos para falar com Deus, só sabemos pedir por nós, ou temos orado por aqueles que necessitam até mais do que nós?


#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia




quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

NoooooOOOssa, eu estou apaixonada pelo pastor auxiliar...

"Haaaa... Quando ele passa pelo salão... Eu fico pálida, as pernas tremem; e quando ele fala comigo então? Nossa, eu fico nas nuvens, ele é meu príncipe  Como ele é lindo, sempre de social, mas se bem que de esporte também *---*.
Vou casar com ele, vou para o altar, ele é tudo o que eu sempre sonhei..."
Ok, vamos lá. Viu o título, o texto acima? Essa ai era eu, há uns anos atrás, quando era ainda uma P.A, uma adolescente.
Tinha um pastor auxiliar na minha IURD, e eu era caidinha por ele, não podia nem vê-lo que nossa, o coração acelerava.
Primeiro que eu não me enxergava né, eu só tinha uns 13 anos e nem era obreira, ele já pastor há uns aninhos, maduro, enfim... Mas essa nem é grande questão.
Passou-se uns 2 ou 3 meses, e o amor eterno acabou kkkkkkkk |Isso mesmo, eu pude perceber que era fogo de palha, e parando para analisar, eu vi que, na realidade, eu admirava muito o pastor, pela seriedade, pelo carisma, pelo amor as almas, e acabei me confundindo.
E muitas obreiras, batem o pé no chão, e afirmam categoricamente que: "São do altar, têm o chamado, e nada tira isso delas".
Mas o que tenho visto, é que elas são em relação a obra de Deus no altar,são como eu era em relação ao auxiliar da minha igreja.
A obra no altar é linda, digna de admiração, quem não olha para um pastor, uma esposa, um bispo, e de imediato não os admira? Normal. E isso tudo, essa idealização do altar, soma-se ao amor pelas almas (que todos os nascidos de Deus possuem), e resultado: Obreiras cegas!
Eu conheço não 1, não 2, mas pelo menos, chutando baixo, umas 20, que passaram a vida, servindo, porém, visando o altar, fazendo para Deus até, mas esperando que em troca, Deus viesse até elas com um pastor engravatadinho num cavalo branco. Ai Deus - -'
Elas não estudavam, não buscavam um trabalho melhor, se um obreiro de Deus, da fé, chegasse até elas, eram duramente rejeitados, afinal: Elas queriam é um pastor.
E o resultado? Os anos passaram e nada do pastor chegar, e quando elas se depararam, estavam com seus 30 e poucos anos, ainda solteiras, ainda no empreguinho ganhando uma mixaria.
E hoje? 90% caíram, correram atrás do primeiro par de calças que apareceu para elas, e estão com a vida amarrada.
Triste né? Mas é o futuro das Marias-Gravatas.
Você têm o desejo de fazer a obra de Deus no altar? Isso é ótimo, então, quer um conselho? Sirva, sirva, sirva. Ganhe almas, ganhe almas, ganhe almas.
Quando é para ser, as coisas acontecem naturalmente, todas as coisa cooperam para o bem dos que amam a Deus.

"Ter a vida no altar de Deus, não é necessariamente ser um pastor ou esposa, ter a vida no altar, antes de tudo, é ter a vida no centro da vontade de Deus, sacrificando as suas vontades, para fazer a vontade daquele, que nós escolheu."
#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia




Que criança mais feia! Argh

"Você é feia de mais".

Foi a frase que eu ouvi no meu primeiro dia de aula do prézinho, quando eu tinha de 4 pra 5 anos, e até hoje 12 anos depois não me esqueço. Eu realmente era uma criança bem diferente, bem estranha.
Pequenininha, demasiadamente pequena, gordinha, o cabelo todo embaraçado, kkk cheio de nós.
O nariz? Parecia uma fonte inesgotável de muco (catarro), e eu me vestia diferente. Moletons, all Star's, camisetas. E adorava brincar, como toda criança, porém, gostava das brincadeiras dos meninos.
As meninas nem se aproximavam de mim, afinal de contas, cadê o rosa, os lacinhos, as roupinhas fru fru, cadê a boneca? E os meninos então? Muito menos.
Eu não tinha amigos, ficava no cantinho, olhando pro meu pé, de cabeça baixa, me sentindo o patinho feio.
Todos os dias,quando a minha mãe me deixava na escolinha, eu chorava, batia o pé, não queria ficar lá, eu era tão desprezada.
E tudo piorou naquele fatídico dia... 
Eu fui para casa de um casal de amigos da minha mãe, era hábito, amigos de longa data, e lá se foi eu.
Chegando lá, minha mãe foi para a sala, que ficava uns 2 andares acima, e eu, para a garagem, huhu! Lá tinha uma rede de balanço, Eba! Vou brincar até dizer chega.
Enquanto eu brincava na rede, o marido da amiga da minha mãe chegou, e decidiu se sentar na rede junto comigo. Eu nem liguei, ia brincar com ele também. Não vi problemas, não vi maldade.
Mas ai, aconteceu, ele me agarrou, e o resto, você pode deduzir, ninguém ouviu meus gritos, meus pedidos de ajuda. Aconteceu...

Querem saber o que aconteceu comigo depois disso? Não deixem de ler a próxima parte, creio que vai ajudar vocês, alguma parte dessa minha história, vai ajudar vocês.


#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia





domingo, 13 de janeiro de 2013

A cicatriz superficial e a cicatriz permanente

E lá vamos nós.. Eu no sofá assistindo domingo espetacular, vendo uma matéria sobre pessoas que modificaram seus corpos com piercings, tatoos, chifres, e até queimaduras na pele.
E foi ai que eu olhei para o meu braço, e vi uma cicatriz que eu tenho há uns 10, que não é lá muito grande, mas é bem visível, eu pensando de mim para mim:
" Será que quando eu ficar velinha essa cicatriz ainda vai estar tão visível assim?'" "Há, mas é claro que vai!" 
O machucado foi feio, nunca vou me esquecer da dor, e a cicatriz, vai sempre tratar de me lembrar do dia em que me feri.
Mas eu já caí milhões de vezes, afinal, que crianças não caem? Mas nem todas as quedas que eu me machuquei, que cortaram a pele, que saíram sangue, deixaram cicatriz.
Ai você deve estar pensando, e o que isso tem a ver com a minha vida espiritual?
Tudo a ver. Sempre que eu olho a cicatriz do braço, me lembro que jamais devo mexer com um cachorro enquanto ele come. Mas e as cicatrizes que eu fiz, mas depois que cicatrizaram sumiram? Nem me lembro o que eu fiz de errado para me machucar, logo, posso cometer o mesmo erro e me machucar de novo.
Haha, é assim na nossa vida com Deus. Muitas vezes passamos por lutas tão grandes, por situações tão tristes e difíceis, e muitas delas, nós mesmo nos levamos, sim ou claro? E essas experiências ficam marcadas na nossa mente, e sempre que estamos prestes a cometer os mesmos erros, nos lembramos do quanto difícil foi passar por tudo aquilo, são as cicatrizes, as cicatrizes permanentes.
E os pequenos erros que nós cometemos, passamos por situações difíceis, mas mesmo assim, vamos lá e cometemos de novo. E por que? Primeiro por que somos humanos, e segundo por que as cicatrizes foram superficiais, e sumiram. Infelizmente nós só aprendemos com a dor, com aquilo que nos marca.
Mas assim é a vida com Deus, assim é a vida, feita de experiências.

#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia




terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Como eu me perdi, de obreira.

Oie, pessoal, eu venho aqui pois quero dividir uma experiência que aconteceu comigo. Foi a fase mais difícil da minha vida com Deus, um deserto bem árido, mas vamos lá.
Eu estava com 1 ano de obra, e o pastor sempre contava comigo. Eu estudava muito, tinha muitos amigos, fazia parte do grupo jovem, tudo estava como sempre.
Eu ia a igreja praticamente todos os dias, sempre estava na salinha de campanha ajudando, sempre que tinha vigílias e reuniões, lá estava eu... 
Aparentemente, presente. E ai foi acontecendo, ou melhor, eu deixei acontecer.
Eu fazia sim, muito para Deus, estava presente, mas... Eu só orava na igreja, só jejuava de sexta, domingo, e olhe lá... Chegava em casa, ficava na internet, até estar morta de cansada, me jogava na cama, e nem orava antes de dormir. Ler a bíblia? Sim, mas só na igreja. Buscar? Existia quarta e domingo para esta finalidade, então pra que? Pra que me trancar no quarto, no banheiro, enfiar a cara no chão e buscar, buscar.. Pra que? 
Hahá, eu era uma santa, não pecava, não fazia nada de errado, mas não tinha mais vida com Deus.
E assim foi indo, eu fui me arrastando, até que um dia, eu percebi.. Eu era o joio! Não o trigo. Mas como? Eu era uma santa, poxa vida... De repente eu percebi, que se Jesus voltasse naquele instante, eu, de obreira, fazendo muito pela obra, sem pecar, estaria indo para o inferno... Ohh, mas como?
Percebi então, que não era o fazer, que Deus queria de mim, e sim o ser... O ser para ele, e quando você é para Deus, você faz, até faz pela obra de Deus, mas prioriza a sua vida com Deus, os seus momentos de intimidade, lê a bíblia, jejua, busca com sede, muita sede..
E hoje, eu tenho muitas tarefas, mas não estou nem ai, se for preciso eu abro mão  do que eu tenho que "fazer", muitos podem olhar, e achar que eu estou dando "mole", mas o meu foco mesmo é com a minha vida com Deus, deixe as pessoas falarem.
E foi assim, que eu tive de ser humilde com Deus, me batizei novamente, (de obreira), e comecei a buscar o renovo espiritual. 
Hoje eu não ligo, não ligo para títulos, não ligo em fazer, meu foco é minha salvação.
Espero ter ajudado, Deus os abençoe.

#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia

Eu vi sonhos que movem montanhas. Esperança que nunca se acaba. Mesmo quando o céu esta caindo. Eu vi milagres acabarem de acontecer. Orações silenciosas sendo respondidas. Corações quebrados se tornam novos em folha. Isso é o que a fé pode fazer. E não importa o que você ouviu. Impossível não é uma palavra. É apenas uma razão para alguém não tentar.

Listinha de mulheres admiráveis

Hello, pessoas lindas e especiais, aqui eu vou colocar uma listinha de mulheres especiais da bíblia, que a partir de hoje eu vou começar a estudar. Isso mesmo, eu quero intender melhor, porque elas mereceram lugar nas sagradas escrituras e fizeram a  diferença. Eu achei super interessante o Desafio Godllywood 32 para aprender mais sobre uma mulher na bíblia, e meditar sobre os seus feitos, que acharam graça aos olhos de Deus. Eu vou começar, porque eu coloquei uma coisa dentro de mim: 2013 é o ano que eu quero mais de Deus, e por isso, e vou fazer muito, muito mais para ele! Vestir mais o uniforme, orar mais, jejuar mais, buscar mais, ler mais a bíblia, dar o meu melhor em todas as áreas da minha vida.
Você tem fé? Essa é uma boa sugestão, devemos nos espelhar nos bons exemplos e também nos maus \(para não os seguir), e ai vai a lista de alguns:


  • Hagar: Gênesis 21
  • Rute:  Rute 1
  • Ana: 1 Samuel 1
  • Abigail: 1 Samuel 25
  • A Sunamita: 2 Reis 4
  • Ester: Ester 1
  • A siro Fenícia: Mateus 15
  • Maria Madalena: Marcos 16
  • Isabel: Lucas 1
  • Maria: Lucas 1
  • Marta: Lucas 10
  • A Samaritana: João 4
  • Dorcas: Atos 9
  • Lídia: Ateus 16


Quais os segredos destas mulheres, que as tornou tão especiais? Eram melhores do que as mulheres de hoje?Obviamente não. Elas apenas se consagraram mais a Deus, se dispuseram mais em serem usadas por Deus. Muitas destas, disseram a Deus: "Eis-me aqui Senhor, envia-me a mim".

#EuOroTodosOsDiasPorVocês
Na fé e na guerra, Caroline Benaia





Estudo final sobre a vida de Débora.

Gente, esse é o último estudo de 3, sobre a vida de Débora. No desafio Godllywood 32 eu selecionei a vida de Débora para aprender mais, e nossa! Ela nem é uma mulher tão comentada da bíblia como Ana, Ester, Rute, enfim, mas ela tem um vida fascinante, se você tiver uma oportunidade, medite no livro de Juízes a respeito de sua vida.
E vamos lá...
Em uma época em que as mulheres eram alvos de desprezo e preconceito masculino Deus levanta uma mulher corajosa, Débora, para ser juíza. Este foi um ato de graça divina, mas também uma humilhação para os israelitas, pois viviam numa sociedade de domínio masculino e que desejava apenas a liderança de homens maduros.
Diante do desprezo dos homens israelitas a voz de Deus, o Senhor diz ao profeta Isaías: "Os opressores do meu povo são crianças, e mulheres estão  testa do seu governo." (Isaías 3:12)
Na ausência de homens consagrados e comprometidos, Deus nos mostra que Ele usa também mulheres em lideranças importantes. Aprendemos aqui, que no reino de \Deus, não há ninguém que seja superior ao outro. As mulheres também são um importante instrumento usado por Deus.
Algumas mulheres se sentem fracas e impotentes diante de certos desafios que a vida coloca, mas lembrem-se mulheres de guerra: Quem a fortalece e as coloca em posição de honra é o Senhor!

#EuOroTodosOsDiasPorVocês


Na fé e na guerra, Caroline Benaia



Débora nos ensina que a vitória vem depois de grandes batalhas...

No capítulo 4 de Juízes, Baraque é convocado a ir a guerra. Ele procura Débora e diz no versículo 8: "Se fores comigo, irei; porém se não fores comigo não irei.''
Era incomum naquela época, uma mulher estar dentro de uma situação de guerra. Mas Baraque faz questão de que Débora vá com ele ao campo de batalha. Baraque e todos os homens Israelitas sabiam que Deus estava com Débora.
Depois daquela grande luta, Deus dá a vitória a Débora, e no capítulo 5, Débora compõe uma música de gratidão a Deus pela vitória recebida.
Olhando para a realidade de sua vida, talvez você não tenha agora motivos para cantar uma canção de vitória,pois está ainda dentro de um campo de batalha espiritual. Você ainda esta na guerra e na luta. Mas, lembre-se que a vitória vem depois da batalha, e não esqueça que as vitórias não são suas somente. Deus esta a frente delas. 
Lembre-se da promessa em Romanos 8:37: "Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou."

Continua...

#EuOroTodosOsDiasPorVocês

Na fé e na guerra, Caroline Benaia