quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Uma candidata a obreira #Parte 10 - FINAL

Eu achava que ele ia me dar uma bronca, disser que o foco dele era outra coisa, mas pela sua expressão, não devia esperar coisa boa. Mas foi ai a minha surpresa: - Tá ligado! Vai arrebentar! Sábado vem ai, trabalha forte, que vamos começar o Grupo Jovem.
Iupi, fiquei tão, mas tão, mas tão feliz, que trabalhei a semana toda, incluindo o meu sábado. Então, sábado chegou kkkkkkkkkk, eba. E lá me fui, buscar os convidados da reunião, quando chego na Igreja, e falo pro Pr, ele olha pra mim e me diz: - Olha, eu vou ver a minha noiva. Sábado é a minha folga. Mas.. Têm fé? A partir de hoje, a força jovem está nas suas mãos.
Meninas, eu não era nem obreira, mas.. Trabalhava nas reuniões, servia santa ceia, e agora... Iria tomar conta de um grupo, eu! Uma menininha de 14 anos... Iniciamos um trabalho forte, e eu confesso pra vocês, a reunião do força jovem, nunca aconteceu, mas começou a chover jovens na igreja, todos os dias, jovens novos, que foram se firmando na presença de Deus, graças a esse trabalho,  eu estava tãooo, feliz, realizada, me sentindo útil... A EBI, a evangelização, a Força Jovem, a obra como colaboradora... Eu me via mais madura, mais serva, enfim, diferente, e amando aquela IURD, aquele povo querido. Mas foi aí, que aquele domingo aconteceu...
Eu saia de casa, 05:00 da manhã, para chegar na IURD cedinho, antes das 07:00, só que, vocês se lembrar no início, que eu disse que, desde o primeiro dia que eu fui até a igreja, Deus havia me mostrado que não era sábio estar ali? Que eu estava sendo orgulhosa, imatura, e etc? Pois então... Neste domingo, como em todos os outros, eu pegava um ônibus até o centro da minha cidade, mas depois ia andando até a outra cidade vizinha, que é pertinho, eu levava umas meia hora. Só que, na divisa entre as duas cidades, existe um caminho muito perigoso, e eu passava por ele, enquanto ainda estava bem escuro, e neste domingo, eu sozinha como sempre, quando um carro para, e dois homens saem de lá, e dizem eu som audível: - Vamos te estuprar! 
Eu arregalei os meus olhos, gelada, comecei a correr, e por livramento do próprio Deus, eu corri, e elas não me seguiram, afinal, eu não daria conta de fugir de um carro me perseguindo. Então ali, eu tive consciência, de que eu deveria abrir mão de tudo, e voltar para o meu altar. 
Agora me perguntem se doeu? Nossa, e como! Eu chorava, só de pensar... Foi difícil me despedir, renunciar, mas eu fui na fé. E votei para a minha IURD.
A minha primeira atitude, foi pedir perdão para o Pr auxiliar, e recomeçar. Para a minha surpresa, logo teve troca de Pastores, e o titular foi embora. E veio um, que nossa! Pensem num pastor bravo... kkkkkkkkk Ele era extremamente rígido, acho que o mais rígido que eu já conheci. Nesta época eu estava de candidata a obreira, e ele me pegava para Cristo, era cada ralada, que não tinha um dia que eu não ia para casa chorando, mas eu sabia, que Deus me estava estruturando. Não vou entrar em detalhes, e nem contar as raladas, quem sabe um dia... Mas, a verdade é que, após 3 meses de ter retornando para a minha IURD, eu fui levantada a obreira!
Agora, deixem eu contar, como foi na sede regional kkkkkkk, quando eu digo que nada para mim é fácil, ninguém acredita. Estava eu, e as demais candidatas a obreiras, na sede, esperando o Pastor regional voltar de uma visita. Eu estava sentada bem atrás delas, e o regional chegou. Não sei como, lá das escadas, ele me enxergou, e esbravejou: -Hey, menina, você! Tem quantos anos?
- Quinze Pastor! (Ele era muito sério, e muito rígido também), 
- Aê? Então é o seguinte, lá em cima nós conversamos. (Isso em um tom áspero) 
Rs, eu subi igual vara verde, de cabeça baixa, porém confiante, de que Deus ia a minha frente, e que aquela era a minha vez.
E assim o foi, ele me entrevistou, me deu uns conselhos, como se fosse um Pai, pediu para que eu contasse as minhas experiências com Deus, e falasse em línguas, e assim o foi, no dia 21/11/2010, eu deixei então, de ser a candidata a obreira, que fui por 3 anos, e agora sim, tinha a unção de Deus, e a autoridade, para fazer a diferença, e um estrago no Reino dos Céus. Ha que dia, rs. 

Espero que tenham gostado, semana que vem têm mais, e se iniciará uma nova série, por isso, fiquem atentas, beijinhos meninas <3 p="">



3 comentários:

Anônimo disse...

QUE BACANA OBREIRA , TA LIGADO ESTOU AGUARDANDO A PRÓXIMA SÉRIE ! :)(KARINE)

Stephanie disse...

Muito interessante sua história obreira Caroline, vivendo e aprendendo.

Isabella Oliveira disse...

Muito bacana mesmo!! Gostei da história.. Toda luta no final tem sua vitória!!